segunda-feira, março 21, 2005

Coisas do Cinema - Cremaster 1 (1996)

O realizador deste filme (Matthew Barney) é o companheiro e pai dos filhos de Björk.

Falar deste filme sem ver os restantes do ciclo (são cinco ao todo) é já deixar muitas coisas em aberto. De qualquer forma, este é um bizarro e divagante percurso pela rica imaginação do autor.

Nos quarenta minutos de duração, aocntecem uma série de articulações simbólicas que não constituem uma "história"; uma mulher debaixo de uma mesa (e dentro de um dirigível?) - que me fez lembrar a "Under the Table and Dreaming" dos Dave Matthews Band - comanda uma coreografia (de outras mulheres) presentes num estádio de futebol americano.
Esta coreografia é uma espécie de ritual de fertilidade (existe um óvulo fecudado...) acentuando ainda mais o carácter erótico do filme.

Este glamour erótico torna-se hipnótico com o contributo do som e do espaço; a forma como o ruído transmite um ambiente espacial, as constantes transformações de escala, as sensações do tacto (muito bem elaboradas) e a clareza e pureza minimal da cor, tornam este filme numa bonita e intrigante sucessão de imagens. Preparam-nos para o Cremaster 2? Brevemente, a ver vamos.

Mais é aqui.






3 Comentários:

Às 22 março, 2005 16:43, Blogger Dias disse...

Vamos acreditar que os outros 4 irão ser melhores que o primeiro, pois este é um pequeno aborto. Obrigar as pessoas a ver esta coisa, é uma terrível forma de turtura, esqueçam os choques eléctricos, este primeiro filme é mais eficaz, consta-se que os soldados americanos já estão a utilizar este turturoso filme nos prisioneiros iraquianos!

 
Às 22 março, 2005 19:51, Blogger Arroz de Estragão disse...

Tu és mauzinho...
Duvido que nas prisões americanas do Iraque hajam televisões, sequer. E muito melhor tortura seria ver a genuína MTV americana, ininterruptamente! Isso é que seria a perversão das perversões! A alienação das alienações!

Um abraço.

 
Às 23 março, 2005 10:02, Anonymous Anónimo disse...

É assim tão mau...o Dias é um gajo competente nas criticas que faz, o que me leva a crer que é mesmo uma tortura! Por mim infelizmente não posso falar porque ainda não vi nada. Só um pormenor só o nome dessa coisa até assusta...
Cumprimentos Hugo Duarte

 

Enviar um comentário

<< Home