sexta-feira, abril 28, 2006

Coisas da Impotência II

Image Hosted by ImageShack.us


...amarrei a burra. Deixei crescer o cabelo e a barba; era das poucas coisas que ainda mexiam no meu corpo. Passados cinco anos, os meus cabelos já existiam à frente dos meus olhos e, por vezes, propositadamente esquecia-me de onde estava, vendo outras coisas - um mundo inteiro que, apesar de ser só leves framentos de memória, era o que de mais 'palpável' eu tinha.

A minha memória eram gavetas que eu entretinha-me a localizar e a abrir. Quando se tem todo o tempo do mundo, tem-se também todo o tempo para nós.

Cada gaveta abria outras tantas, umas por onde passava todos os dias, outras por onde passava apenas uma vez.

Era-me possível ficar assim para sempre, vivendo de memórias; se ao menos as pudesse partilhar...

6 Comentários:

Às 09 maio, 2006 17:24, Anonymous Anónimo disse...

Tudo é partilhável, disse-me uma vez alguém...
É bom ver-te aqui partilhado com todos. Sigo-te com interesse. Beijo. Di.

 
Às 09 maio, 2006 17:32, Blogger Arroz de Estragão disse...

Tudo é partilhável se conseguirmos falar, escrever, etc. Nem todos temos as ferramentas para comunicar e, para mim - que estou impotente nesta cama fria - restam-me muito poucas. Passo mais tempo a comunicar comigo; de mim para mim - insistindo que isso é possível.

Noves fora, grato pelo teu interesse, aparece.

Beijo.

 
Às 10 maio, 2006 17:42, Anonymous Anónimo disse...

O que se passa contigo? Posso-te ir buscar à cama com a promessa de um dia melhor :P Sintra continua linda... Beijo. Di.

 
Às 10 maio, 2006 17:45, Blogger Arroz de Estragão disse...

Comigo não se passa nada, mas com o personagem desta história passa-se tudo. Esclarecida? Ui...

Beijos

 
Às 10 maio, 2006 20:58, Anonymous Anónimo disse...

Muito mais descansada,pah!
Então e olha lá Asterix, agora que tás bonzinho quando é que pagas um copo... até lá, continua a escrever prosador.

Outro.
Di.

 
Às 18 maio, 2006 04:26, Blogger Arroz de Estragão disse...

Ui...

 

Enviar um comentário

<< Home