sexta-feira, janeiro 28, 2005

Coisas da História – Auschwitz/Birkenau

Fez ontem sessenta anos que os russos tomaram o campo de concentração Auschwitz/Birkenau e libertaram os prisioneiros sobreviventes. O extermínio neste local foi estimado em um milhão e meio de pessoas; um milhão e meio pessoas é 1.500.000 de pessoas...

É-me difícil partilhar o complexo sentimento que tenho em relação ao sucedido...um misto de violenta revolta e de profunda vergonha, por ser cúmplice (como humano que sou) de tamanha desumanidade.

Pela minha incompreensão da dimensão do acto, resolvi que “um dia iria a Auschwitz”; e fui. Mas confesso que continuo sem compreender; desde que entrei no campo, como mais um mero turista, não consegui pensar porque as emoções me vêm primeiro, e são devastadoras, as emoções.

Passado um ano, e por lembrança mediática do aniversário da libertação, decidi rever as fotografias que recolhi; em momentos que os nervos afastavam o meu dedo do botão da câmara. São os mesmos nervos que vão desviando os meus dedos do teclado com que escrevo agora...

De qualquer forma; achei de interesse partilhar esses momentos neste blogue.

Não sei se algum dia poderei lá voltar...


Os caminhos de ferro que traziam os prisioneiros e que acabavam entre os dois crematórios de Birkenau.


Os deambulatórios electrificados de Auschwitz.


Por entre os vastos campos relvados de Birkenau encotram-se ainda centenas de dormitórios, se é que assim lhes podemos chamar...


Nas latrinas comuns, o letreiro avisa: "Manter o silêncio."

7 Comentários:

Às 28 janeiro, 2005 11:51, Anonymous Anónimo disse...

0000001
0000002
0000003
0000004
0000005
0000006
0000007
0000008
0000009
0000010
0000011
0000012
0000013
0000014
0000015
0000016
0000017
0000018
0000020
0000021
0000022
0000023
0000024
0000025
0000026
0000027
0000028
0000029
0000030
0000031
0000032
0000033
0000034
0000035
0000036
0000037
0000038
0000039
0000040
0000041
0000042
0000043
0000044
0000045
0000046
0000047
0000048
0000049
0000050
0000051
0000052
0000053
0000054
0000055
0000056
0000057
0000058
0000059
0000060
0000061
0000062
0000063
0000064
0000065
0000067
0000068
0000069
0000070
0000071
0000072
0000073
0000074
0000075
0000076
0000077
0000078
0000079
0000080
0000081
0000082
0000083
0000084
0000085
0000086
0000087
0000088
0000089
0000090
0000091
0000092
0000093
0000094
0000095
0000096
0000097
0000098
0000099
0000100
0000101
....
....
....
1499998
1499999
1500000

apenas um... já teria sido demais.


ernesto

 
Às 28 janeiro, 2005 12:18, Blogger Arroz de Estragão disse...

Concordo plenamente...mas o facto de ter realçado o número tem que ver com o facto de me ser incompreensível a dimensão do sucedido...se uma vítima do holocausto incomoda, não consigo, sequer, pensar o quanto me incomoda este facto iterado um milhão e meio de vezes (em Auschwitz) e mais de seis milhões em todo o holocausto.

Não foi um crime, foi muito mais que isso e, o pior, é que continua a acontecer aos olhos de quem o quiser ver, em vários pontos do mundo.

Espero ser claro que o facto de ter escrito um número nada tem que ver com matemática...

 
Às 28 janeiro, 2005 19:37, Blogger Diane L. disse...

Eu gostava muito de lá ir. São locais onde se passaram coisas terríves mas que me atraem muito.

 
Às 29 janeiro, 2005 04:09, Blogger Arroz de Estragão disse...

É quase mórbida, a curiosidade que nos leva a sítios destes; mas tão obrigatória quanto legítima.

 
Às 29 janeiro, 2005 12:59, Anonymous Anónimo disse...

a exactidao da matemática, a adição (ou subtracçao), neste caso só serve para lembrar o erro. o erro, que apesar da exactidao das contas e dos numeros, é cada vez maior.

confesso que gosto de numeros. de lidar e operar com eles. mesmo assim muitas vezes tenho dificuldades na compreensão da verdadeira dimensao do numero. nisso somos, neste caso, iguais.
para o compreender, transformo o numero em coisas por mim quantificáveis. valorizo muito o tempo. demorei 3 minutos a escrever 100x1/1500000 do numero. um segundo e oito décimas por pessoa. 1500000 pessoas resultariam em 2700000 segundos, equivalente a 45000 minutos, equivalente a 750 horas, equivalente a 31 dias e uma manha. isso é muito tempo.


uma foto tipo passe mede em média 45mm por 35mm.
1500000 fotos sao 2362.5 metros quadrados ou 675 km se colocadas linearmente. isso é muito espaço, isso é uma distancia muito grande.

um nome completo escrito á mao mede em média 14 cm.
1500000 nomes são 2100 km de nomes. isso é uma distancia ainda maior.


estas operações aproximam-me da dimensão da desgraça. contudo ainda me sinto muito longe, parecem-me a mim ainda muito pequenas. o sucedido parece-me incomensurável.

 
Às 29 janeiro, 2005 13:44, Anonymous Anónimo disse...

esqueci e nao disse no comentário anterior:
gosto de vos ler
acho que vos percebo
e
estava claro que o facto de teres escrito um número nada tem que ver com matemática...


um aperto no ombro, ernesto

(ontem, sentado num banco, numa mesa, numa tasca, conversava com amigos. um velho entrou... ia passar entre mim e os que de costas para mim conversavam virados para os seus amigos. chegei-me á frente para o deixar passar. reconhecendo o gesto o velho sem falar gentilmente apertou o meu ombro. gratidao? simpatia? senti-me mais humano entre humanos)

 
Às 29 janeiro, 2005 16:21, Blogger Arroz de Estragão disse...

:-)
Gostei e identifico-me com as tuas percepções de escala e proporção. Trabalho muito dessa maneira no que toca à arquitectura; faço essas associações, também.

E é precisamente essa noção que me é complicado conceptualizar quanto ao que se passou no holocausto: a escala.

Acertaste na mouche ;-)

É bom quando nos sentimos humanos da forma de que falas: a transparente cumplicidade; é o milagre da comunicação que o permite. :-)

Até breve, ernesto.

 

Enviar um comentário

<< Home