quarta-feira, janeiro 26, 2005

Coisas das pessoas - um homem do seu tamanho

Ele passava os dias assim. Caminhava contra o sol e agradecia quando algum automobilista o deixava passar na passadeira.

Usava as mãos e os nós dos dedos para perceber que tipo de som saia do corrimão metálico ou da parede revestida a madeira; enquanto caminhava para outros afins e afãs.

Gostava de ajudar; especialmente com palavras. Não lhe era difícil usar as palavras. Frequentemente assentava ideias que lhe ocorriam e dizia para si próprio “Este poderá ser um bom conto ou, quem sabe, um livro.”

Quando se apaixonava era usual pegar na guitarra, quando só, e dobrava-se sobre ela, esperando que as notas que tocava fizessem música; ficava anos a trabalhar sobre uma música; a elevá-la ao ponto de a esquecer e, quando isso acontecia, ele sorria, porque não era mais a guitarra que o comandava – surgia o deleite de ouvir, só.

De quando em vez, havia odores que o faziam recuar a doces memórias; muitas delas eram já poeira, nevoeiro – mas, ainda assim, eram doces mistérios.

Os seus quadros eram como as músicas; na maioria, ficavam inacabados e com um odor a expectante terebintina.

Gostava de fazer nenhures; aquilo que se faz quando se faz nada, sim, porque fazer nada não é fácil e é bom. Costumava dizer que os melhores laivos de tempo são aqueles que não se sentem.

Gostava de cozinhar, a meia-luz; tratava com carinho cada pedaço de cebola. Adorava moinhos de pimenta – o objecto, o odor e o som dos grãos a serem quebrados.

Na fotografia, procurava captar aquilo que o olho não vê; a textura da pele de um pequeno insecto, aquilo que veríamos se os olhos estivessem nos nossos pés.

Dava-lhe muito prazer ter em casa muitos livros; um leque de opções que satisfizessem o súbito desejo de ler algo diferente.
Ia ao cinema para esquecer-se que estava dentro de um. Comovia-se com filmes simples. Comovia-se também com documentários sobre animais.

Ele passava os dias assim e, de cada vez que acontecia algo de mau, bebia água e telefonava a alguém que já não via a algum tempo e, assim, os dias passavam.

Não era maior que ele próprio; era exactamente do seu tamanho.


Foto de Dmitri Goutnik

4 Comentários:

Às 27 janeiro, 2005 21:19, Blogger ~bee disse...

Lindo!
Entao ao som de Mogwai ainda mais!
E bom saber que nao se esta sozinho no mundo no que toca a bom gosto musical, embora as vezes pareca que assim seja.
~bee

 
Às 27 janeiro, 2005 22:04, Blogger Arroz de Estragão disse...

Estava a ver que ninguém reparava!

A propósito, ando a pesquisar sobre a tua sugestão, o Craig Armstrong; até ao momento, pelo que tive oportunidade de ouvir, não consigo entender como é que nunca se porporcionou tomar conhecimento da sua existência até agora...gosto muito e quero mesmo ouvir mais.

Obrigado bee. ;-)

 
Às 28 janeiro, 2005 19:50, Blogger ~bee disse...

Sorriso grande de orelha a orelha :)
tenho outra sugestao...
Sigur Ros
~bee

 
Às 29 janeiro, 2005 04:07, Blogger Arroz de Estragão disse...

A esses já os conheço à distância! ;-)
Se gostas deles, como eu gosto, deves gostar também de "Mum", outros interessantes islandeses; conheces?

E, ao Criaig, junto o "Koln Concert" do Keith Jarret ou, não tanto pela musicalidade como pela afinidade conceptual, o "Imaginary Day" de Pat Metheny.

Boas audições!

A partilha é sempre um prazer :-)

 

Enviar um comentário

<< Home