quarta-feira, julho 20, 2005

Coisas do Cinema – Nostalghia (1983) e uma crítica há muito por escrever, aqui

Entre todas as coisas boas que a invenção americana da indústria cinematográfica (D. W. Griffith) trouxe ao desenvolvimento da sétima arte, existem muitas outras coisas menos boas. Uma dessas coisas foi a “habituação” que criou no espectador comum: não há pachorra para o cinema lírico, vulgarmente chamado por “cinema de autor”. A minha questão é a seguinte: a que é que cada um de nós chama cinema? Arte? Entretenimento? Outra-coisa-qualquer? Talvez a perversidade que nos é servida de bandeja pelas editoras e produzida pelos grandes estúdios. Hoje, quem define o que é o cinema são os senhores que possuem o poder de produzir e distribuir estas dispendiosas bobines.

Dizia eu que, a perversidade deste poder, cria, convenientemente, uma “habituação” no espectador comum: isto significa que lhe fornece os símbolos e ícones que o sensibilizam; talvez deva mesmo dizer que, tendenciosamente, escolhem estes símbolos por nós (e o que é o “estrelato” afinal?..) e que, inevitavelmente, nos silenciam a imaginação, a espontaneidade, a genuinidade. Isto significa que é quase como aquela velha história de que “a nossa cura é também a nossa doença”.

Bom, não me interessa discutir qual das posturas será a mais perversa e pervertida – se a da moderna indústria, se a de “cinema de autor” – o que me interessa tem mais que ver com o facto de ser muito fácil distrairmo-nos e fechar os olhos a coisas que são muito mais nossas do que aquilo que possamos pensar. Menosprezar essas coisas é menosprezarmo-nos, se bem me faço entender.

E, se isso acontece, então temos uma opção: ou deixar que isso aconteça e pensar que todo este meu discurso é ridículo, ou procurar alternativas; quanto as estas últimas, mais uma vez – e como é evidente – cada um sabe de si.

Entender “o que é o cinema” não é uma discussão fácil; mas entender o que é a pintura (e tudo o resto que envolva o conceito “arte”) também o não é. Contudo, parece-me unânime a ideia de que o cinema é uma arte – e é precisamente neste ponto que gostaria de reticenciar esta minha reflexão.

Adiante.

Para que fique desde já claro: o Sr. Andrei Tarkovsky é o meu realizador favorito (embora a escolha seja complicada...). Foi esse senhor que realizou este Nostalghia.

É o meu realizador favorito porque não se lhe consegue apontar um “erro”; e caso ele exista, é com certeza propositado.

É um grande criativo em múltiplos aspectos que, dos quais, eu só entendo pequena parte.

Os fracos recursos na produção dos filmes que fez não fizeram deles filmes fracos; pelo contrário: fica-me sempre a sensação de ter sido (bem) enganado: “Como é que ele consegue pôr 50 cenas no mesmo espaço e este encontrar-se sempre diferente?!?” Lembra-me os Nenúfares de Monet...

A forma como dá um sentido lírico aos filmes; como extenua e enfatiza coisas banais; a expressão das coisas banais; os sons que nos integram perfeitamente na acção e, no caso concreto deste filme, nos devolvem memórias; e as garrafas que acumulam as gotas de chuva das goteiras do telhado da casa velha dentro das paredes de pedra branca nervuradas com colunatas, formando as espantosas ruínas da catedral... – tudo isto é infinito, tudo isto é lindo, tudo isto é Tarkovsky...

Muito mais haveria para dizer sobre este senhor...tanto que me falta a pachorra para o racionalizar e pôr em palavras. Estranhamente, este filme deixou-me muitas impressões que dão uma forte legitimidade ao seu título; palavra que não é mencionada uma vez sequer ao longo do filme (excepto no próprio título).

Para mim, este é um excelente exemplo daquilo a que chamam cinema, se é que se referem àquele que se refere à arte. Talvez os filmes deste grande realizador não sejam os “melhores filmes”; talvez os “melhores filmes” não sejam feitos por grandes realizadores; o que sei é que, este, é uma das melhores formas de gastar duas horas do nosso precioso tempo (em vez de o gastarmos a ir ver o War of the Worlds, do tio Spielberg, por exemplo...). Mais, é, sem dúvida alguma, uma lição de cinema para quem assim o possa entender. É um “filme chato” de inegável e insólita beleza.

Eventualmente, este é, para alguns, um texto escrito por um conservador; olhem que não, desenganem-se porque é precisamente o contrário.

Obrigado pela atenção.

Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
Image Hosted by ImageShack.us
Mais é aqui.

1 Comentários:

Às 27 julho, 2005 13:05, Blogger ... disse...

sim, é um realizador a ver.

 

Enviar um comentário

<< Home