domingo, maio 15, 2005

Coisas da Vida - a lei dos pólos

Quem sabe o que é amar profundamente, saberá também como é odiar profundamente.

14 Comentários:

Às 15 maio, 2005 22:58, Blogger Ana disse...

... quem não consegue odiar não consegue amar pois entre o amor e o ódio existe uma linha muito fina !

Beijos

 
Às 15 maio, 2005 23:12, Blogger maria borboleta disse...

ainda que se diga que o ódio é primo do amor ou vice versa...eu não acredito em nada disso! digo mais, o ódio não existe realmente! Está na cabeça inventiva das pessoas! Sabem que mais? NÃO PERCAM TEMPO!

 
Às 15 maio, 2005 23:14, Blogger maria borboleta disse...

Arroz: precisamos falar! precisamos falar? precisas! precisas?

 
Às 16 maio, 2005 01:27, Blogger liz disse...

You're back, nice! Amanhã irás fazer as delícias do Tripes!

Ódio... Amor?! Também preferia acreditar que o ódio não existe e que o amor vigora... Mas muitas das nossas acções quotidianas expressam precisamente o contrário!

Seria bom os nossos actos fossem maioritariamente de amor, mas perdemos tão facilmente a paciência...

 
Às 16 maio, 2005 14:51, Blogger Ana disse...

Voces ainda são novos.... vão ver que a idade lhe ensina que o ódio realmente existe e que por vezes é tão purificador ... claro que não estou a fazer apologia dele ... mas é um sentimento tão humano como o amor. O que é preciso é saber dominá-lo.

Tudo tem o seu tempo na ordem natural da vida!

 
Às 16 maio, 2005 21:35, Blogger Pedro. disse...

não concordo. nada mesmo. tenho uma ideia do que será odiar, mas nunca o senti. mas sei o que é amar. e, por isso mesmo, também não acredito na "linha muito fina" a separar amor e ódio. não vêm do mesmo lugar, não vão para o mesmo lugar, são mundos distantes. (desconfio até que quem já amou perde a capacidade de odiar. revelam-se muitas coisas, quando se ama...)

 
Às 16 maio, 2005 23:12, Blogger Arroz de Estragão disse...

Ui...e o que é o "ódio"? E o que é o "amor"? Mesmo que não se queira, isto é sempre poesia.

A todos: fico muito contente por este blogue continuar a ser (bem) frequentado mesmo depois de um interrégono.

É bom saber que ainda estão por aí :)

Os melhores cumprimentos a todos.

Borboleta: nem te conto nada...havemos de conversar...
Beijos.

 
Às 17 maio, 2005 01:08, Blogger Ana disse...

Ok.. eu não digo mais nada ;)

 
Às 17 maio, 2005 12:16, Anonymous Anónimo disse...

O amor, o amor...não sei se estarei na melhor posição para falar desta coisa, mas em todo o caso acho que o amor se pode rapidamente transformar em odio quando somos magoados por este ou aquele motivo. Contudo, penso que quando se ama alguém esse ódio é momentâneo e ultrapassável, o amor move mesmo montanhas e é um sentimento que nos consome cada pedacinho do cérebro.

Liz, ai a paciência...é melhor não irmos por aí porque o ódio forma-se a partir de coisas muito mais fortes e não vamos relativizar as coisas com uma oscilação de paciência...mas é importante haver paciência, carradas!!!

No fundo e pra concluir são 2 sentimentos que andam de braço dado, mas é tão bonito o amor..."protejam-se" e evitem o ódio!

Cumprimentos, Tripas

 
Às 17 maio, 2005 16:46, Blogger Arroz de Estragão disse...

Quanto a mim, o "amor" e o "ódio" são apenas necessidades menos fisiológicas do que as outras, mas não menos necessárias. Como tal, não devem ser levadas demasiado a sério.

E, acrescentando uma pitada de humor em tudo isto, quem é que leva a sério a "cerimónia" de se sentar na sanita para se aliviar?

Já alguma vez alguém tentou conceptualizar o dito acto e elevá-lo ao estado sagrado?

Portanto, é disto que vos falo.

Ás vezes, quanto mais a sério, menos verdadeiro...

E, já agora, posso também dizer que, de cada vez que vou aliviar-me com a sanita, levo sempre uma guitarra, para me distrair, até.

O amor e o ódio de cada um, não vale mais ou menos do que o amor e o ódio de cada outro. Simplifiquemos: vale o mesmo.

Cumprimentos a todos e desculpem-me o "mood" pouco romântico.

 
Às 21 maio, 2005 12:39, Blogger Andreia disse...

Eu não concordo.
:)
Já amei intensamente e nunca senti ódio por ninguém.
Aliás uma coisa que não gosto, e não me refiro a ti atenção :), é que as pessoas no geral dizem facilmente "odeio-te". Uma vez o meu pai disse-me uma coisa, que foi: não digas ódio tão facilmente como dizes amo-te. Porque sei que tu dizeres amo-te é muito difícil por si só e o ódio é um sentimento muito feio. :)
Gostei do teu cantinho ;)

 
Às 21 maio, 2005 20:15, Anonymous Stars in my belly disse...

Oh you left some stars in my belly...
Only Love will win!

 
Às 22 maio, 2005 14:42, Anonymous Stars in my belly disse...

p.s. - levar a guitarra para a casa-de-banho durante o processo expontâneo de alívio da tripa já começa a ser uma moda pelos vistos...estou preocupado comigo mesmo!hahahaha
Love you Liz!

 
Às 30 maio, 2005 16:51, Anonymous Boodah disse...

ódio! em tempos ódiei, não foi nada premeditado, aconteceu de um momento para outro, andei a ser consumido pelo ódio quase um ano e meio, perdi muita gente que parava a minha volta...a paciência esgotou então, aos que ficaram, e vocês sabem quem são, OBRIGADO amo-vos do fundo do meu coração, não deixem o ódio estragar a vossa vida, a minha teve perto do fim....

 

Enviar um comentário

<< Home