sábado, fevereiro 12, 2005

Coisas da Música - Gatos

Encontra-se disponível para audição mais uma das músicas que gravei há já alguns anos...

Chama-se "Gatos" e está aqui.

5 Comentários:

Às 12 fevereiro, 2005 10:49, Blogger musalia disse...

Arroz! Adorei a tua música, é linda!! Não te sabia artista tamanho!
beijos.

 
Às 12 fevereiro, 2005 14:07, Blogger maria borboleta disse...

és único e irrepetível na forma como comoves com a TUA música! parabéns!

agora é a minha vez de dizer: "ainda se vai ouvir falar (e muito) deste senhor!"

beijos

 
Às 12 fevereiro, 2005 17:12, Blogger Arroz de Estragão disse...

:-)))
Fico sempre tão contente quando me mimam!
Ainda bem que a guitarra vos causa agrado.

maria: não te comovas porque eu, assim, também me comovo...

Ternamente agradecido.

Beijos maria.

Beijos musalia.

 
Às 13 fevereiro, 2005 01:15, Blogger pedro disse...

gostei muito. transportou-me para o dead man do jim jarmush. aqui há uns anos tentei afinar uma guitarra eléctrica como uma guitarra portuguesa. os resultados foram pouco mais que sofríveis. tu eras gajo para avançar com o desiderato

 
Às 13 fevereiro, 2005 03:35, Blogger Arroz de Estragão disse...

Olá pedro :-)

Ainda bem que gostaste!
Infelizmente, o Dead Man é uma lacuna na minha humilde cultura cinematográfica...mas vou vê-lo brevemente.

Creio que referes-te ao desiderato do latim, e, se assim for, posso dizer-te que o meu problema é ter desideratos a mais...como se ainda estivesse na idade dos porquês - mas, ainda assim, agora é melhor porque esqueço-me das minhas perguntas todos os dias ;-)

Eu quero crer que vou ter tempo e oportunidade para fazer pelo menos um terço daquilo que desejo. E tenho vivido bem assim, aos poucos. Mais do que os sonhos: momentos de felicidade.

Eu sou gajo para avançar com os desideratos, aos poucos ;-)

Um abraço.

Para os interessados:

DESIDERATO: do latim Desideratu. Aquilo que se deseja, aspiração.

++

No meio do barulho e da agitação, caminhe tranqüilo, pensando na paz que você pode encontrar no silêncio.

Procure viver em harmonia com as pessoas que estão ao seu redor, sem abrir mão de sua dignidade.

Fale a sua verdade, clara e mansamente.

Escute a verdade dos outros, pois eles também têm a sua própria história.

Evite as pessoas agitadas e agressivas: elas afligem o nosso espírito.

Não se compare aos demais, olhando as pessoas como superiores ou inferiores a você: isso o tornaria superficial e amargo.

Viva intensamente os seus ideais e o que você já conseguiu realizar.

Mantenha o interesse no seu trabalho, por mais humilde que seja:
ele é um verdadeiro tesouro na contínua mudança dos tempos.

Seja prudente em tudo que fizer, porque o mundo está cheio de armadilhas.

Mas não fique cego para o bem que sempre existe.

Há muita gente lutando por nobres causas.

Em toda parte, a vida está cheia de heroísmo.

Seja você mesmo. Sobretudo não simule afeição e não transforme o amor numa brincadeira, pois no meio de tanta aridez, ele é perene como a relva.

Aceite com carinho o conselho dos mais velhos e seja compreensivo com os impulsos inovadores da juventude.

Cultive a força do espírito e você estará preparado para enfrentar as surpresas da sorte adversa.

Não se desespere com perigos imaginários: muitos temores têm sua origem no cansaço e na solidão.

Ao lado de uma sadia disciplina, conserve, para consigo mesmo, uma imensa bondade.

Você é filho do Universo, irmão das estrelas e árvores, você merece estar aqui.
E mesmo se você não puder perceber, a terra e o Universo vão cumprindo o seu destino.

Procure, pois, estar em paz com DEUS, seja qual for o nome que você lhe der.

No meio de seus trabalhos e aspirações, na fatigante jornada pela vida, conserve, no mais profundo do ser, a harmonia e a paz.

Acima de toda mesquinhez, falsidade e desengano, o mundo ainda é bonito.

Caminhe com cuidado, faça tudo para ser feliz e partilhe com os outros a sua felicidade.


Texto encontrado em Baltimore na antiga Igreja de Saint-Paul, em 1632.

 

Enviar um comentário

<< Home